Itália – a esquerda que se divide e a democracia

* Walter Veltroni

Muitas pessoas me pediram que publicasse o texto de meu discurso na assembleia nacional do Partido Democrático. É o que faço, esperando que possa ser útil. Quero só estabelecer uma premissa: percebemos o que está acontecendo em torno das discussões e divisões da esquerda?

Retomo só os últimos três dias, só estes. Pois bem: Matteo Salvini, o líder da Liga Norte, uma pessoa que pode ter no futuro importantes cargos de governo, coloca na rede uma mensagem em que reproduz, apoiando-o, o aberrante vídeo feito por dois sujeitos que se regozijam por terem fechado num contêiner de lixo duas mulheres nômades.

Salvini acrescenta a tal filme assombroso as seguintes palavras: “Mas como grita esta desgraçada!”. E o mais terrível é ver que houve dezenas de milhares de like e ler os comentários de pessoas que celebram o gesto e até incitam a formas ainda mais ferozes de discriminação.

Nos Estados Unidos, o novo presidente anuncia uma fase de implementação de corrida às armas nucleares, invertendo a tendência da presidência Obama. Não é pouco. Por fim, em meioao desinteresse de muitos, Trump impediu o acesso, num encontro com a imprensa, de jornais que considera incômodos. Espantou- me que os outros colegas tivessem aceitado esta discriminação impensável e não tenham ido embora.

Três episódios, diferentes entre si, que nos devem fazer refletir sobre este tempo. Não percebemos que a democracia treme? A democracia não é feita só de regras e instituições, mas também, em primeiro lugar, de um espírito, de uma exigência difusa de liberdade. Digo sinceramente – penso que como nunca antes esta não é mais uma certeza. À esquerda gostaria de dizer que, antes de fragmentarse em mil lascas armadas umas contra as outras, deveria entender o que está acontecendo no cerne da opinião pública, especialmente nos setores mais fracos e abandonados pela política.

Há muito tempo não participo das reuniões dos organismos de nosso partido. Minhas escolhas de vida, feitas com a necessária radicalidade, me levaram a decidir deste jeito. Não foi fácil, como todo o resto, mas era e será correto assim. Mas hoje creio ser meu dever tomar-lhes poucos minutos para dizer o quanto me parece errado e me angustia o que está acontecendo. E gostaria de me dirigir às companheiras, aos companheiros, aos amigos com os quais conduzimos tantas batalhas, conhecemos vitórias e derrotas, momentos de alegria e períodos difíceis. A eles gostaria de dizer que não tomem caminho diferente daquele de todos nós¹.

E não dirijo este apelo em nome da tradicional exortação, ainda que legítima, à unidade. Não, digo isso porque o Partido Democrático precisa de seu ponto de vista, de seu senso crítico, de suas ideias. Penso na desorientação e na dor que estão experimentando as pessoas que, nestes dez anos, acreditaram na ideia e na novidade do Partido Democrático.

O PD não nasce do nada, há uma história por trás de nosso caminho. Um caminho longo que todos, sem exceção, deveríamos ter sempre na mente e no coração. A história não começa com nenhum de nós, nunca. Pela primeira vez, provenientes do século XX, a grande maioria das forças reformistas italianas, herdeiras daqueles que, combatendo unidos o fascismo, reconquistaram a liberdade, encontraram-se no PD. Derrubado o muro, terminadas as ideologias, não havia razão pela qual os reformistas não devessem se reunir, não devessem se propor como governo possível deste país. Antes de 1989 estas forças estavam legitimamente divididas pela história. Mas depois só se dividiram pelas próprias lógicas de contraposição.

Será o caso de recordar por uma vez que em 1994, se os progressistas e os populares estivessem unidos, teriam vencido as eleições e Berlusconi não teria governado a Itália? Será o caso de dizer que, se a experiência do primeiro governo Prodi, o da Oliveira, tivesse prosseguido, a história italiana teria tido um outro curso? Será o caso de dizer que, depois das eleições de 2006, na coalizão aconteceu de tudo – a maioria que votava contra o governo no Parlamento, as manifestações contra o Executivo com a presença de ministros deste mesmo governo? Será o caso de dizer que, se não fosse a divisão da esquerda, Romano Prodi seria eleito em 2013 presidente da República?

A esquerda, quando se dividiu, fez mal a si mesma e ao país. Esta é a verdade. Este foi exatamente o demônio da esquerda. A doença é de natureza política e reduzi-la às características das pessoas é um atalho fácil, tal como é buscar, personalizando, os bodes expiatórios de uma síndrome profunda. O PD nasceu para superar tudo isso. A ideia do Lingotto² não era só construir a síntese entre católicos democráticos e esquerda, era fazer um partido inteiramente novo, por identidade, programa e forma. Um partido do novo milênio, verdadeiramente reformista e verdadeiramente radical. Não ossificado em correntes, mal que não cessa de devastar o PD, mas terreno de participação autêntica, capaz de inovações corajosas e firmemente assentado em suas raízes profundas.

Um partido da esquerda, não algo indistinto. Quanto mal nos fizeram as fabulações sobre partidos da nação ou as tolices sobre o fato de que não mais existem direita e esquerda! Trump e Le Pen estão tratando de nos recordar a extraordinária diferença que existe entre quem pensa numa sociedade de oportunidades sociais e inclusão humana e quem considera pobres e imigrados como perigos ou restos a remover. O PD, ainda hoje, e também por mérito de todos os secretários que vieram depois de mim, é a força que pode a partir da esquerda imaginar a construção de uma maioria na sociedade antes ainda do que no Parlamento. Existe algo de que faço questão: combatam sempre a ideia de que a esquerda seja minoria neste país. Porque, se o for, então são minoritárias as razões dos direitos, da justiça social, das liberdades de escolha. Por isso, e ainda que fosse só por isso, a esquerda não pode se permitir ser minoria por escolha, não tem este direito. A esquerda democrática deve cultivar o objetivo de conquistar amplo
consenso em virtude da força, da radicalidade e da coerência de sua proposta. E, permitam-me dizê-lo com afeto, não será com a palavra de ordem da revolução socialista que isto acontecerá.

O PD nasceu por fusão, não por cisão. Entre tais cisões, por exemplo, vivi a da Refundação Comunista, quando Achille Occhetto, com uma coragem que jamais lhe foi plenamente reconhecida, salvou e transmitiu para o futuro a história melhor do PCI. Não estava de acordo com quem fez aquela escolha de ruptura, mas respeitava seu sofrimento, a profundidade de uma divergência que nascia das ideias e só delas.

Dois sociólogos franceses descreveram esta fase histórica como a época das “paixões tristes”. Receio que tenham razão. Nesta dimensão inscrevo a possibilidade de que se divida hoje o maior partido da esquerda europeia por uma questão que corre o risco de não ficar esculpida nos livros de história. Bem sei que existem conflitos mais de fundo, mas para a opinião pública parece até aqui uma questão interna, de procedimentos e ritmos. As diferenças ideais, programáticas, políticas e até sobre questões éticas são legítimas e, para mim, vitais num partido que não pode nunca ter só uma cor nem ser partido pessoal, mas uma comunidade aberta, feita de diferenças, unida por um sentimento comum, por uma esperança comum.

Há muito tempo estou alarmado com a abulia da esquerda diante da mais perturbadora fase de mudança histórica que nossa geração conheceu. Tudo está se revolucionando, o modo de trabalhar, distribuir a riqueza, de saber, de comunicar, o modo de as pessoas estarem em relação. A precariedade se tornou o sinal devastador de existências em suspenso. As tecnologias reduzem o trabalho, e a formação, ainda não transformada em coração social e cultural da esquerda, não prepara para o novo, não educa para um mundo que a própria política parece não compreender nem interpretar. Estamos imersos na mais longa recessão dos últimos dois séculos, o Ocidente está marcado por grande ondas migratórias, as mudanças demográficas estão abalando o welfare. Existe ou não matéria para uma reflexão coletiva de uma esquerda que, em todo o Ocidente, hoje está posta nas margens? A direita fez tal reflexão, consensualmente, e disso se vêm os sinais. Percebemos que hoje se pronunciam palavras de ódio e discriminação que ontem eram
impronunciáveis? A esquerda tem o dever de se opor a tudo isso, inclusive em termos valorativos. E agora o que mais me interessa há bastante tempo: a democracia hoje está em apuros, parece incapaz de guiar um mundo demasiadamente veloz para suas regras, parece espremida na alternativa entre uma inquietante exigência de simplificação, até autoritária, e o mito da democracia direta.

A democracia não é maná dos céus, foi uma exceção na história humana. Vive se é transparente, se decide, se os controles funcionam. Mas vive também se é capaz de imaginar novas formas de participação e contribuição a partir de baixo que envolvam e responsabilizem todos os cidadãos, subtraindo-os assim à subalterna e exclusiva prática da invectiva. A democracia sobrevive se os governos são estáveis. Observem que pode ser efetivamente devastadora a perspectiva de novas eleições nas quais não haja maioria e governos possíveis. Digo tão só minha opinião: equivocar- se-ia quem pensasse que o modo melhor de se contrapor ao Movimento Cinco Estrelas seja a construção, de novo, de uma grande aliança “contra”.

O consociativismo não irá derrotar a antipolítica, e sim o reformismo verdadeiro. E permitam-me acrescentar que se agora a perspectiva é um sistema proporcional, com tantos e variados pequenos partidos capazes de condicionar o governo e decretar sua instabilidade, com os votos de preferência,³ que considero a relação mais perversa entre eleitos e eleitores, relação que só o colégio uninominal torna transparente e virtuosa; se a perspectiva é o retorno a um partido que lembra a Margarida e outro que lembra os Democráticos de Esquerda, bem como a coalizões heterogêneas reunidas por lógicas de poder; então não chamem isso de futuro, chamem de passado. Um PD mais frágil, uma centro-esquerda dilacerada por polêmicas ajudam a enfrentar estes desafios? Ajudam a evitar que prevaleçam por toda parte forças cuja intenção é a destruição da maior conquista do pós-guerra, a Europa unida? A pergunta é esta, só esta. Um partido vale para os outros, não para si mesmo.

Devemos nos acostumar a conviver, a ser alternadamente maioria e minoria num partido. Mas, estando juntos, sempre a nos respeitar e a valorizar. Devo lhes dizer a verdade. Vendo de mais longe, hoje o PD parece mais empenhado em intermináveis discussões para decidir mais o que convém aos indivíduos do que para decidir o que é mais justo para os outros. Quero dizer deste modo o que deveríamos fazer: menos reuniões de corrente, mais representação das exigências sociais. Somos filhos de gente que nos educou assim.4 Não pensavam em si mesmos ou no que lhes convinha os rapazes que saíram finalmente livres de Via Tasso depois da Libertação.4 Não pensavam em si mesmas as mulheres que, afirmando seus direitos, abalaram a Itália, fazendo-a tornarse moderna. Nem o faziam os católicos que afirmavam a paz quando a guerra parecia óbvia. Não pensavam em si mesmos os operários que faziam greve contra o terrorismo. Nós somos filhos desta história e de muito mais. Cheguei ao fim, peço desculpas, mas sentia o dever de estar com vocês, hoje. Porque espero que aquela bandeira, aquele símbolo, aquela ideia de unidade não sejam recolhidos e deixados de lado. Penso que a Itália e a Europa precisam muito e desesperadamente do PD, de uma comunidade de esquerda aberta, popular, reformista e moderna. Permaneçam unidos, está em jogo o destino da esquerda e da Itália.

Publicado em L’Unità, 26/02/2017
Fonte: L’Unità & Gramsci e o Brasil.

¹Referência aos atuais dissidentes da esquerda do PD, entre os quais Pierluigi
Bersani e Massimo D’Alema.

²O Lingotto — ex-instalação fabril da Fiat no bairro turinense de mesmo nome
— foi o palco do lançamento do Partido Democrático, por parte de Walter Veltroni,
em junho de 2007. Como se verá mais adiante, a ideia do PD era associar

³Em outros termos, a “lista aberta” das eleições proporcionais.

4 Local da prisão e centro de tortura mantido pelas SS nazistas, hoje Museu Histórico
da Libertação, em Roma.
organicamente, entre outras forças reformistas, os pós-comunistas e os pós-
-democrata-cristãos (a Margarida, continuadora do Partido Popular).

* Walter Veltroni foi duas vezes prefeito de Roma, em 2001 e 2006. Em 2007 tornou-se o primeiro secretário nacional do Partido Democrático.

Últimos posts por Política Democrática (exibir todos)

Deixe uma Resposta.