Edição atual

I. Tema de Capa: Travessia para um novo tempo

A retórica da intransigência e a pedagogia política da transigência

Ao lado da insistência na assim chamada narrativa do golpe, o discurso das forças políticas afastadas recentemente do governo federal destaca-se pelo tom preditivo. Afoitas como nunca, anunciam o caos político e social como resultado necessário do sentido antipopular – pecado mortal, para elas – de toda e qualquer ação ou declaração, real ou imputada, do governo interino. Em raciocínio circular, vaticinam o fracasso dessa interinidade “neoliberal”, resultado lógico e independente de ações concretas, daquilo que afirmam ser o pecado original dessa interinidade. Assim, origem e futuro do governo interino explicam-se mutuamente. Tudo retoricamente explicado e resolvido. Dialética manca e [...]

By Paulo Fabio Dantas Neto

I. Tema de Capa: Travessia para um novo tempo

Razões da agonia

À primeira vista, a cena política brasileira atual defronta o observador com uma terra devastada, varrida por ódio e ressentimento, chão calcinado onde nada de bom poderia medrar. Tal percepção poderia levá-lo até a conjeturar se não estaria diante de um caso perdido, uma sociedade que perdeu o rumo, condenada à auto extinção, como no caso de culturas do México pré-hispânico e de tantas outras apenas conhecidas pelos vestígios arqueológicos que deixaram. Mas basta reorientar seu olhar para a vida cotidiana, fechar as páginas dos jornais e fazer ouvidos moucos aos noticiários das rádios e da TV, principalmente ignorar o [...]

By Luiz Werneck Vianna

I. Tema de Capa: Travessia para um novo tempo

Desentendimento, dogmatismo, mediações ausentes

Cada época carrega consigo um conjunto de características dominantes que demarcam o modo como se desenvolvem as práticas sociais em cada campo específico de atuação. A nossa não foge à regra. Hoje, na política, a marca é a crise: nenhum sistema funciona bem, mais desagrada que agrada, cria mais problemas que soluções. Crise de governabilidade, crise de representação, crise da democracia, crise dos partidos – as etiquetas são muitas. Os governos estão na berlinda, seja de que partidos forem. Governam pouco. Na economia, muita coisa gira em torno da flexibilidade. A localização perdeu relevância. Deve-se organizar e empreender a partir [...]

By Marco Aurélio Nogueira

I. Tema de Capa: Travessia para um novo tempo

Implosão do populismo assistencialista e espaço para ampla e desejável virada

Profundidade e amplitude das consequências sociais da crise econômica e do descalabro das contas públicas. A primeira responsável por uma paradeira generalizada das atividades produtivas – traduzida em taxas recordes de fechamento e de recuperação judicial (alternativa à falência) de empresas; e de desemprego e inadimplência. A segunda – o enorme desequilíbrio fiscal entre receitas cadentes e despesas cada vez maiores do gigantismo estatal. Impondo cortes e abandono de programas das três esferas do poder público. Inclusive nas áreas de saúde, educação, segurança, mobilidade urbana; de par com o calote aos fornecedores de bens, serviços e obras, estendido em vários [...]

By Jarbas de Holanda

II. Observatório

As duas esquerdas

Há cerca de dez anos, o mexicano Jorge Castañeda, ator e analista da política latino-americana deste nosso tempo conturbado, propôs um esquema simples, mas relativamente eficaz, para entender as esquerdas no poder, especialmente a partir da ascensão de Hugo Chávez na Venezuela por meio do voto. As esquerdas, dizia Castañeda, tinham no subcontinente uma natureza dupla, segundo admitissem, ou não, as novas condições derivadas do fim do comunismo real e da obsolescência dos padrões da guerra fria. Brasil, Uruguai ou Chile, por exemplo, teriam enveredado por um caminho próximo das social-democracias europeias, adotando políticas pluriclassistas e respeitando os requerimentos do [...]

By Luiz Sérgio Henriques

II. Observatório

Da reengenharia republicana em prol do Estado Democrático de Direito

Nos últimos 50 anos, o mundo mudou. As mudanças tecnológicas, sociais e econômicas foram de grande alcance, com repercussões profundas, que levaram à desorganização política e administrativa das principais nações do mundo, inclusive do Brasil. A globalização desprotegeu e empobreceu o trabalhador, despreparado para enfrentar tais mudanças; os organismos internacionais e as centrais sindicais internacionais estão lentos nas ações e obtenção de acordos e tratados internacionais para a proteção do mundo do trabalho. As fronteiras se enfraqueceram e o mundo interagiu, não só na economia, mas também nas relações sociais e no uso da tecnologia. O comércio e a proteção [...]

By Jose Vigilato da Cunha Neto

II. Observatório

O crime compensa?

Estarrecida, a opinião pública brasileira é surpreendida, todo santo dia, com uma nova operação da Polícia Federal e detalhes nauseantes de corrupção. Num dia, assalto ao crédito consignado de servidores endividados. No outro, desvio de verbas da Lei Rouanet para casamentos luxuosos. Num terceiro, mensalinho para a madrinha da bateria de uma escola de samba e R$ 18 milhões para empresa desistir (!) de contrato. E os valores?! Ladrão de colarinho branco não é nada modesto, tudo é na casa dos R$ 70 milhões, R$ 100 milhões, R$ 370 milhões… Por trás desses desvios “pitorescos” de dinheiro público e desses [...]

By Eliane Cantanhêde

II. Observatório

Uma pauta para a transição democrática

No dia 21 de setembro de 2014, cerca de um mês antes da última campanha eleitoral, publiquei no facebook um texto chamado Antiprograma de Governo. O artigo foi escrito para a eventualidade de Dilma perder a eleição. Mas é incrível como permanecem atuais as propostas que foram feitas. Inclusive sobre a Operação Lava-Jato (ou o petrolão), que ainda não existia (não, pelo menos, com a dimensão que adquiriu). Permitam-me reproduzi-lo com algumas atualizações. Serve perfeitamente para o governo de transição ou para quem o suceder. É uma espécie de pauta para a transição democrática. Antiprograma de Governo Não acredito muito [...]

By Augusto de Franco

III. Conjuntura

O novo Febeapá ou o golpe na semântica

As pessoas de mais idade entre nós certamente devem se lembrar do famoso Febeapá – o Festival de Besteiras que Assola o País, glossário de notas criado na década de 60 do século passado pelo saudoso jornalista Sérgio Porto, conhecido pelo pseudônimo de Stanislaw Ponte Preta, sobre as sandices pronunciadas por políticos e autoridades, durante o regime militar. Tudo indica que agora estamos vivenciando um segundo Febeapá, desta vez protagonizado pela esquerda de salão das universidades brasileiras, e que se materializa na torrente de cartas-abertas, abaixo-assinados e manifestos de repúdio que inundam as redes sociais, tendo como tema único o [...]

By Paulo César Nascimento

III. Conjuntura

Escândalo: da ditadura à democracia

A corrupção na licitação para a maior obra em andamento no país, a hidrelétrica de Belo Monte, com orçamento de R$ 32 bilhões, pode dar ao Brasil a oportunidade para o ajuste de contas com o mago econômico da ditadura e conselheiro pessoal de Lula e Dilma: o ex-ministro Delfim Netto. Foi – e ainda é – corrupta a mais poderosa autoridade civil do regime militar? Ela ocupou o mais importante dos ministérios, o da Fazenda, durante um terço do tempo (sete anos seguidos, mais quatro anos como ministro do planejamento e um como dono da pasta da agricultura) que [...]

By Lúcio Flávio Pinto

III. Conjuntura

Mulheres na política. Para que? Por que?

Muitas pessoas não conseguem perceber a importância das mulheres estarem no poder, delas ocuparem espaços no Legislativo, no Executivo e no Judiciário. Para muitos homens essa é uma questão desnecessária, e muitas mulheres têm grande dificuldade de se perceberem ocupando esses espaços, que, historicamente, são dominados pelos homens. Elas só se veem trabalhando em casa e eles fora de casa! E a divisão sexual do trabalho fica restrita a esses papéis tradicionais de gênero. Aquilo que foi “ensinado” é o que prevalece. Poucas e poucos se libertam destes papéis pré-fabricados ao longo dos séculos. Mas, a necessidade de as mulheres [...]

By Tereza Vitale

III. Conjuntura

O Brasil pós-PT: da democracia formal à democracia social ou nova democracia

Os desafios da democracia em países em desenvolvimento, como o Brasil, são imensos, porquanto aqui não fomos capazes de resolver os problemas básicos de natureza material, como a pobreza, a fome, a violência, o desemprego, a educação e, sobretudo, a corrupção. E em qualquer parte do mundo onde essas questões sociais primárias e geradoras de mais desigualdades não foram enfrentadas com sentido de transformação, a democracia quando sobrevive é à custa de sistemas presidencialistas forjados e viciados e de muita e permanente instabilidade. Daí a urgente necessidade de se rediscutir a inconsistência do atual sistema de governo em nosso país, [...]

By Chico Andrade

IV. Economia e Desenvolvimento

É de chorar

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, está certo de que venceu a disputa com a ala política do governo ao definir o rombo nas contas públicas de 2017 em R$ 139 bilhões, mas não há nada o que comemorar. Ainda que o déficit seja menor do que o estimado pelo mercado, o número é assustador, qualquer que seja o parâmetro de comparação. As finanças do país estão no vermelho desde 2014 e não há previsão de quando voltarão a apresentar superávit – talvez em 2019. O buraco persiste mesmo com a sociedade despejando, todos os anos, quase 36% do Produto [...]

By Vicente Nunes

IV. Economia e Desenvolvimento

País de bolso vazio, mas com modernos aviões de caça

Recentemente, além da Rússia, que está sofrendo sanções econômicas impostas pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), seis países europeus padecem, há anos, recessões como a nossa e também por conta de má administração financeira – Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Chipre. Com exceção deste último, pequeno país-ilha, que superou a crise, principalmente graças ao firme (provavelmente pelo baixo valor) apoio do Banco Central Europeu, os outros ainda enfrentam problemas de alto desemprego, baixa produção, inquietação política, maiores índices de criminalidade, redução da atividade científica e outros, que já começamos a sofrer mas – preparem-se – ainda vão piorar [...]

By Milton Coelho da Graça

IV. Economia e Desenvolvimento

Um novo jeito de enfrentar a crise

O ministro Henrique Meirelles deixou claro nas suas conversas dentro do governo sobre a meta fiscal que, este ano, a atual equipe pegou o bonde andando, mas em 2017 será considerado responsável pelo que acontecer. Por isso, “sob nenhuma hipótese” a meta fiscal poderia ser um déficit maior que o de 2016. Desta forma, ele rechaçou as propostas mais expansionistas. Mesmo assim, R$ 139 bilhões é um déficit enorme. É muito difícil fazer uma reversão de um resultado tão negativo sem aumento de carga tributária. Mas não foi incluído aumento de imposto. A hipótese de elevação da Cide, apesar de [...]

By Miriam Leitão

v. Ciência e Tecnologia & Meio Ambiente

Inovação tecnológica, coordenação política e transversalidade

Parece ser uma narrativa já consolidada a de que o Brasil não teve sucesso em atingir uma economia baseada no conhecimento e na inovação tecnológica. Essa dificuldade é tida como um problema estrutural e, recorrentemente, aparece como um fator crítico para os que estudam o desenvolvimento socioeconômico brasileiro. É também interpretada como um desafio inerente às economias latino-americanas, por evidenciar uma provável incapacidade dos governos da região em coordenar agendas de políticas públicas virtuosas para reestruturar o setor produtivo. Esta é uma discussão antiga e pode-se dizer que já se cristalizou no pensamento social sob a roupagem de um aparente [...]

By Renan Renan Gonçalves Leonel da Silva

v. Ciência e Tecnologia & Meio Ambiente

Brasil: vanguarda ambiental e agrícola

Foi-se o tempo em que o Brasil era caracterizado como o país do futebol. Menos pelos deméritos recentes de nossa seleção canarinho e muito mais pelo amadurecimento de outras vocações nacionais, hoje podemos nos orgulhar de ostentarmos uma condição ímpar: somos uma grande potência agrícola e somos, ao mesmo tempo, a grande potência ambiental do planeta. Apesar do aparente paradoxo, estamos conseguindo avançar simultaneamente nestas duas direções: produzir cada vez mais alimentos para o mundo e preservar recursos naturais para as futuras gerações. Ao contrário do que muitos apregoam, não são caminhos opostos; pelo contrário, são simbioticamente complementares. O Brasil [...]

By Arnaldo Jardim

v. Ciência e Tecnologia & Meio Ambiente

Valor da água

A água sustenta a vida. Está aí seu valor. É produto único e sem similaridade. O que dá valor a um bem ou insumo é a escassez. Mesmo sendo vital, quando um insumo é abundante, como o ar, no sentido que excede à demanda interna e não pode ser exportado ou armazenado, o excedente vale zero. Não existe ninguém para comprá-lo. Quando pode ser estocado, a estratégia de valoração é retirá-lo do mercado. Tem um aspecto interessante. A água pode tornar- se escassa no local onde ela é abundante. Exemplo: o Rio Grande nasce na Serra da Mantiqueira, em Minas, [...]

By Eliseu Roberto de Andrade Alves

VI. As cidades e a governança democrática

Por trás das aparências no espaço municipal

Aproximam-se as eleições. Os primeiros pré-candidatos começam a aparecer. Será que teremos boas opções ou seremos reduzidos, mais uma vez, à triste condição de votar no menos pior? O pano de fundo do processo eleitoral que se aproxima é o da frustração provocada pela natureza da pratica política existente no Brasil, caracterizada pelo descompromisso programático, pela promiscuidade entre o público e o privado, pela corrupção, pelo clientelismo e pela degenerescência das práticas políticas, situação essa que afeta os mais diferentes partidos e suas lideranças. Mas afinal, como separar o joio do trigo, se nas eleições todos os discursos são parecidos [...]

By Fausto Matto Grosso

VI. As cidades e a governança democrática

Segurança Pública e o papel dos municípios

Os conteúdos dos discursos eleitorais sobre a segurança pública ainda permanecem superficiais e conservadores. Na maioria das vezes, predominam os assuntos de polícia, do sistema prisional e da justiça. Ou seja, prevalece o combate ao criminoso, em nível estadual e no âmbito do Judiciário, ao invés de políticas para a formação do cidadão, para o incentivo à boa convivência social e a prevenção criminal. A rigor, o Brasil nunca teve uma política nacional de segurança pública. Nenhum presidente se dispôs a mexer nesse problema. Falta um Plano Nacional de Segurança Pública; faltam investimento, custeio, inteligência, atuação integrada, tecnologia etc. Não [...]

By Felipe Sampaio

VII. Questões do Estado e de cidadania

O protagonismo que o Brasil recusa

Apesar do debate sobre controle de armas ter ganhado relevância nos últimos anos – tanto em relação à segurança interna de diversos países quanto por transferências internacionais que fomentam conflitos e crimes transnacionais – o Brasil tem deixado de explorar seu potencial para ser protagonista no tema, uma vocação que seria natural por uma série de razões e uma escolha que traz consequências práticas importantes. Começamos pelo nosso vergonhoso primeiro lugar na quantidade de mortes por armas de fogo do mundo. São cerca de 40 mil mortos por armas de fogo todos os anos e 110 pessoas todos os dias. [...]

By Ivan Alves / Natália Pollachi

VII. Questões do Estado e de cidadania

O professor que bota moral

Já é difícil colocar e manter a agenda educacional no centro das políticas públicas, aqui no Brasil, quando o cenário está mais tranquilo; imagine então com a atual crise política e econômica. Mas se o nosso maior erro histórico é o descaso com a educação, até quando vamos repeti-lo? Por quantas crises teremos que passar? Os jovens que entrariam agora no mercado de trabalho formam geração que acreditou na possibilidade de um país muito melhor. Mas, com a redução da oferta de emprego, isso parece escapar por entre os dedos. E pior, além de encontrarem ambiente muito mais difícil – [...]

By Priscila Cruz / James Ito-Adler

VIII. Direito & Justiça

A liturgia do impeachment

O instituto do impeachment tem origem no direito norte-americano, filiado ao Common Law, o direito inglês costumeiro, com seus precedentes judiciais (judje made law). Nossa filiação jurídica é ao direito romano-germânico, conhecido como direito continental europeu, cuja característica está em criar normas jurídicas mediante leis. Quando falamos de direito civil, comercial, tributário, penal, processual e assim por diante, a nossa referência é a praça europeia continental, excluída a Grã-Bretanha, especialmente ao direito português, espanhol (Ordenações Filipinas), francês (Código de Napoleão), italiano e alemão. No que tange ao direito político, entretanto, nosso parentesco é com o direito norte-americano. Isto se deve [...]

By Sacha Calmon

VIII. Direito & Justiça

Os vários lados da reforma trabalhista

Recente manifesto, divulgado por 19 ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST), expressa veemente repulsa contra algo que denominam “desconstrução do Direito do Trabalho”. O documento também defende a Justiça do Trabalho, cujo papel “ganha relevância nos momentos de crise em que a efetivação dos direitos de caráter alimentar é premente e inadiável”. Desconheço alguém que ignore a importância do Direito do Trabalho, e se dedique à insensatez de tentar desconstruí-lo. Quanto à Justiça do Trabalho, não há motivo para defendê-la, pois não é alvo de conspiração. Para atacá-la, seria necessária emenda constitucional subscrita por um terço, no mínimo, dos [...]

By Almir Pazzianotto Pinto

IX. Ensaio

A semântica do contraditório numa comédia da arte das aparências

Diz-se, com certo orgulho, que no final das contas, a democracia não está tão mal na América Latina. Algumas vozes chegam a admitir que as nossas instituições políticas estão bem consolidadas. É possível que alguns indícios observados (não falemos sobre indicadores, por recatada prudência) sejam verdadeiros ou que não passem da projeção inconsciente de nossas utopias. Seja como for, se a presença frequente de generais nas chefias de Estado, por este lado do Planeta, pode ser levada em conta da quebra de requerimentos constitucionais básicos, melhoramos significativamente na escala republicana de governo democrático. Exceção feita à Venezuela, os generais recolheram-se [...]

By Paulo Elpídio de Menezes Neto

X. Batalha das Ideias

Cuidado com a antipolítica

Congresso, partidos organizados para disputar eleições e políticos profissionais eleitos: instituições com prestígio baixo e cadente no Brasil e, em graus variados, em todos os países democráticos. É tarefa inglória defendê-las nos dias que correm. E, no entanto, por isso mesmo, é hora de fazê-lo, pois elas constituem um trio indispensável à democracia representativa. Para que não se a interprete como uma defesa indiscriminada do nosso sistema político, cabe ganhar uma certa perspectiva histórica para só depois chegar à cena brasileira atual. Comecemos pela identificação dos principais inimigos históricos da democracia representativa: os movimentos e regimes nazifascistas e comunistas que [...]

By Sérgio Fausto

X. Batalha das Ideias

O que está acontecendo com a filósofa?

Marilena Chauí é uma intelectual respeitável, dona de uma farta e rica produção acadêmica que inclui grandes traduções, como Baruch d e Espinosa. É autora d e um best-seller dos 1980, o livrinho de bolso da “Coleção Primeiros Passos” da Editora Brasiliense, O que é Ideologia. Era uma “ídola” do pensamento acadêmico nacional, filósofa celebrada e com enorme trânsito na classe média. Mas há muito Marilena – com seu salário médio mensal de R$ 23 mil, somente na Universidade de São Paulo (USP) – se afastou da classe média, na qual está muito bem inserida. Em 2013, buscou se diferenciar [...]

By Luís-Sérgio Santos

X. Batalha das Ideias

Historiadores por mais democracia

Acompanhamos surpresos a recente polêmica em relação ao posicionamento político de um grupo de intelectuais chamados “Historiadores pela Democracia”. Defendem a legalidade da continuidade do mandato da presidente da República e ganharam notoriedade pela própria mídia acusada por eles de “golpista”. Não devemos aqui tecer comentários se estariam antecipando uma sentença da História, uma vez que este é um debate político ao contrário de acadêmico. A imprensa hegemônica ganha na possibilidade de permitir a continuidade de uma falsa polarização entre aqueles grupos que estiveram por mais de uma década governando sustentados pela ressurreição do “Centrão”. Desde 1994, PSDB e PT [...]

By Pablo Spinelli / Vagner Gomes de Souza

XI. Mundo

Epitáfio do lulopetismo diplomático

Dois elementos são essenciais a qualquer diplomacia: credibilidade e inserção internacional. Ao se aproximar o fim de 13 anos de bizarrices na política externa, cabe rememorar como a diplomacia lulopetista, partidária por definição, sacrificou ambos os elementos no altar de posturas sectárias e de iniciativas obscuras. A deformação das mais sensatas tradições da diplomacia profissional não só retirou credibilidade ao Brasil no contexto regional, como isolou o país da economia mundial, fazendo retroceder tanto a integração no Mercosul quanto nossa inserção nas cadeias globais. Os lulopetistas retiraram credibilidade à política externa e à própria diplomacia profissional, em primeiro lugar, pelo [...]

By Paulo Roberto de Almeida

XI. Mundo

Deus salve a rainha

Não é democrata o governante que, inseguro ou demagogo, pergunta ao povo o que ele já sabe a resposta. David Cameron, primeiro-ministro da Grã-Bretanha, transferiu para os ingleses a tarefa de errar e dar um tapa na cara da Europa, ameaçando o mundo com mais instabilidade e egoísmo. O dia 23 de junho de fortes chuvas, relâmpagos e trovoadas emoldurou o cenário, da Irlanda do Norte até Lincolnshire, banhada pelo Mar do Norte, e dali para o sul da Grã-Bretanha, até o Canal da Mancha. Foi apenas o terceiro plebiscito da história do Reino Unido. Para uns, um belo teatro [...]

By Paulo Delgado

XI. Mundo

Por que África e Brasil precisam se manter unidos?

Recentemente, a posse de um novo governo no Brasil reacendeuv as discussões sobre algumas das relações comerciais entre o país e os demais blocos econômicos mundiais. Após especulações sobre cortes em orçamentos, que incluíam o fechamento de embaixadas em países africanos e caribenhos, houve uma decisão acertada de recuar em tal estratégia e manter os diálogos já vigentes entre Brasil e África. Decidiu-se que “a política externa vai ser feita de modo a atender aos interesses do país e não de ideologias e conveniências”. Os negócios hoje entre Brasil e países africanos vão muito além da compaixão, já que os [...]

By Silvana Saraiva

XI. Mundo

No intervalo de um século

A decisão dos eleitores britânicos de retirar o país da União Europeia coloca o continente no centro das preocupações de todos os parceiros – não apenas os do bloco em Bruxelas. A verdade é que, à parte os “… eventuais efeitos colaterais”, a saída britânica, chamada de Brexit, traduz um sentimento de mal-estar que não se resume ao Reino Unido. Não apenas os holandeses já se perfilam para fazer o mesmo, sem falar nos franceses, capitaneados pela líder ultradireitista Marine Le Pen. A Escócia contempla repetir, nesse contexto, a consulta popular sobre a independência – agora, tendo como questão de [...]

By Silvio Queiroz

XII. Memória

Da cruz à estrela: a trajetória da Ação Popular Marxista-Leninista

A un banquete se sientam los tiranos, Pero cuando la mano ensangrentada Hunden en el manjar, del mártir muerto Surge una luz que les aterra, flores Grandes como una cruz súbito surgen Y huyen, rojo el hocico, y pavoridos A sus negras entranãs los tiranos. (Fragmento de “Banquete de Tiranos”, in: Versos libres, de José Martí-1878-1882) A organização clandestina denominada Ação Popular Marxista Leninista (APML) surgiu da transformação do grupo de orientação católica, a Ação Popular, em agremiação de diretrizes marxistas. A matriz da APML, a antiga Ação Popular (AP), por sua vez, foi formada em Belo Horizonte (MG), em [...]

By Esther Kuperman

XII. Memória

A ruptura indolor – o conceito de crise na história do comunismo brasileiro¹

Ganhou corpo, na historiografia do Partido Comunista Brasileiro, a cristalização de um paradigma explicativo da natureza das crises no pensamento e na ação dos comunistas brasileiros. Segundo essa maneira de ver, ao contrário da história dos PCs do resto do mundo, as rupturas ocorridas na linha teórico-política do PCB, posto que sobre determinadas pelas mudanças havidas no Movimento Comunista Internacional (MCI), dar-se-iam de forma indolor ou incruenta, sem produzir traumas ou violentas comoções nas estruturas partidárias pecebistas. Prova disso seria, por exemplo, a continuidade do “núcleo dirigente”, a despeito das bruscas mudanças (induzidas de fora) de orientação no partido. Embora [...]

By Michel Zaidan

XIII. Resenha

Dívida: os primeiros 5000 anos

Dívida: os primeiros 5000 anos, do antropólogo e ativista social David Graeber, é uma obra de fôlego com identidade própria. Trata-se de um tratado que busca não só descrever historicamente a trajetória das relações de dívidas entre as pessoas, em todas as suas variações e tipificações, mas também de encontrar uma regularidade na mudança dessas relações. Isso indica uma trilha bem demarcada pela tradição da antropologia de Marcel Mauss e Marshall Sahlins (temperada com a vertente em Economia Política chamada mutualismo) que não se apequena na hora de encarar os desafios de se contrapor ao predomínio do economicismo em suas [...]

By Tiago Camarinha Lopes Tiago

XI. Resenha

Escritos em guardanapos

Detenho-me na leitura do feixe de poesias e algumas reflexões, com o título de Anônima intimidade, do tieteense Michel Temer. Aliás, político-poeta, poeta-político – se aprofundarmos em suas lições de vida chegada do interior e conquistando o respeito e o interesse pela sua trajetória de luta e sacrifícios, constataremos que se na arte política ele se consagra mais ainda, na arte poética tem o seu completo êxito. Recordo-me dos bons tempos da Faditu (Faculdade de Direito de Itu), onde ele foi ilustre professor de Direito Constitucional e, mais tarde, seu exemplar diretor. A mim coube entregar-lhe um mimo, em festividade [...]

By J R Guedes de Oliveira