Edição atual

Um novo Horizonte para o País

Um novo horizonte para o Brasil

Após o impeachment de Dilma Rousseff e a assunção definitiva de Michel Temer à Presidência da República, o país pôde, enfim, começar a se reorganizar, em todas as dimensões. Contudo, os déficits e as disfunções acumuladas durante os últimos governos petistas revelaram-se de tal monta que se tornou, cada vez mais evidente, que seria cheia de obstáculos, e necessitaria de paciência e sobriedade a travessia até bom porto, com a recuperação da economia e o retorno ao diálogo saudável entre as forças políticas, abrindo novos espaços à sociedade civil. Diante desta situação e do que prevê a Constituição de 1988, [...]

By Política Democrática

I - Tema de capa: Um novo Horizonte para o País

O impeachment venceu nas urnas

Pouco mais de um mês após o Senado votar o impeachment de Dilma Rousseff e colocar um ponto final no desgoverno do PT, os brasileiros foram às urnas, em outubro, e deram o seu recado inequívoco. O resultado das eleições municipais expressou um sentimento que já era predominante nas ruas e sepultou definitivamente a narrativa estapafúrdia de que a petista teria sido afastada da Presidência da República por meio de um “golpe”. O fato inconteste é que as forças políticas que apoiaram o impedimento experimentaram um crescimento significativo no pleito, enquanto os lulopetistas e seus satélites foram derrotados nos quatro [...]

By Roberto Freire

I - Tema de capa: Um novo Horizonte para o País

O Brasil começa a virar a página da insensatez

A marcha do petismo ilustra um daqueles casos típicos de transformismo, quando um partido ou agrupamento, uma vez no poder, abandona suas bandeiras progressistas iniciais e assume posicionamentos conservadores, se não reacionários. Após quase uma década e meia no poder central, foi o que a prática petista, cada vez mais autoritária, deu a entender. Nesse sentido, podemos até nos perguntar se o petismo e alguns aliados seus não podem ser encarados como uma variante do fascismo, movimento autoritário surgido na Itália no fim da Primeira Guerra Mundial. Ou será preciso recorrer uma vez mais à boa e velha noção de [...]

By Ivan Alves Filho

I - Tema de capa: Um novo Horizonte para o País

O que resta para a esquerda?

No início da década de 1990, Norberto Bobbio chamou a atenção para o fato de que, se era constatável a morte do comunismo, seria necessário admitir que as razões da sua existência permaneciam vivas, na medida em que se faziam presentes, ao redor do mundo, as marcas da desigualdade. Guardadas as situações e identidades diferenciadas, o argumento de Bobbio talvez possa ser útil na reflexão sobre a situação que se impôs depois do desastre eleitoral do PT. Os resultados eleitorais indicam, se não o fim do PT, ao menos o fim da era eleitoral de predomínio do petismo. Contudo as [...]

By Alberto Aggio

II - Entrevista

Em busca de uma nova política, com o senador Cristovam Buarque

Entrevista com Cristovam Buarque, economista, engenheiro, ex-reitor da Universidade de Brasília, ex-governador do Distrito Federal e ex-ministro da Educação, atual senador da República (PPS-DF), feita por Arlindo Oliveira, Caetano Araújo, Francisco Almeida e Luiz Carlos Azedo, do Conselho de Redação da revista Política Democrática. Política Democrática – Como caracterizar o Brasil de hoje? Cristovam Buarque – Somos um país dividido em uma parcela moderna, decomposta em corporações, sem um interesse nacional comum e sem uma perspectiva de longo prazo que beneficie as futuras gerações; e uma parcela excluída da educação, da saúde, da renda, da participação política. Não há, entre [...]

By Política Democrática

III. Conjuntura

Infortúnios de uma política

“Lá vem a nega Luzia/ No meio da cavalaria/ Vai correr lista lá na vizinhança/ Pra pagar mais uma fiança/ Foi cangebrina demais/ Lá no xadrez/ Ninguém vai dormir em paz/ Vou contar pra vocês/ O que a nega fez/ Era madrugada/ Todos dormiam/ O silêncio foi quebrado/ Por um grito de socorro/A nega recebeu um Nero/ Queria botar fogo no morro.” “Nega Luzia”, de Wilson Batista e Jorge de Castro Desde o primeiro momento em que o impeachment da então presidente da República, Dilma Rousseff, foi aventado por setores da oposição a seu governo, ilustres dirigentes petistas e líderes [...]

By José Antonio Segatto

III. Conjuntura

A cultura da corrupção na sociedade brasileira

* Antonio Geraldo da Siva / Fernando Portela Câmara A corrupção está tão disseminada em nosso cotidiano, que virou uma instituição cultural. É como a propina para se fazer vistas grossas e facilitar o andamento do caso. Nossa sociedade aprendeu a conviver com essa anomalia, não sem a tensão e a revolta dos mais esclarecidos, que sabem perfeitamente que todo atraso, carestia e desordem econômica a tem como causa primária. Dizer que a corrupção é uma cultura entre nós pode chocar algumas pessoas, cuja primeira opinião é a de se tratar de desvio de caráter. Naturalmente, o caráter é uma [...]

By Política Democrática

III. Conjuntura

Novo bloco possível

Graças à intervenção autônoma da sociedade civil, iniciada com as manifestações de rua de junho de 2013, continuadas em março/abril de 2015 e de dimensões gigantescas no dia 13 de março de 2016, tivemos o afastamento de Dilma Roussef da Presidência da República; processo concluído pelo Congresso Nacional, nos termos da Constituição, seguido da massacrante derrota do lulopetismo nas eleições municipais de outubro. As manifestações populares adquiriram dimensões nunca vistas em nossa história sem que houvesse um ou mais partidos políticos na liderança ou qualquer tipo de liderança caudilhesca que, em muitas situações de crises econômicas e sociais, costuma aparecer [...]

By Moacir Longo

IV. Observatório

A nova política interativa pós-junho/2013

A maioria dos partidos políticos brasileiros, na louca esperança de concorrer com a esquerda no seu próprio campo, concederam ao PT, vitorioso na eleição presidencial de 2002, o monopólio da propaganda ideológica e se transformaram em dóceis instrumentos do hegemonismo político e da “revolução cultural” patrocinada por vários segmentos da sociedade civil organizada, mídia e academia e da quase totalidade partidária que usufruiu o poder central desde 2003. Pelo menos até 2013, quando a sociedade, decepcionada com a classe política, mobilizou-se por redes sociais e contestou toda a ineficiência da máquina pública nas ruas. A partir daí, por diferentes iniciativas [...]

By Laécio Noronha Xavier

IV. Observatório

Bresser, entre a economia e a política

Em artigo publicado na Folha em 27/03, na Ilustríssima, sob o título “Onde foi que erramos? Quando e por que a economia saiu da rota”, o economista Bresser-Pereira traça em linhas retas um programa consistente para a esquerda brasileira chamar de seu e deixar de improvisar num quesito tão sensível quanto estratégico: a economia como calcanhar de Aquiles da política. Mas, a linha torta de seu artigo restou subjacente e mal resolvida: qual política ou qual esquerda? O socialismo moderno, inaugurado por Marx e Engels, suplantou todos os movimentos socialistas e comunistas de sua época justamente ao questionar a falta [...]

By Hamilton Garcia de Lima

IV. Observatório

O nosso Pacto de Moncloa

*Leonardo Mota Neto As contribuições de Itamar Franco ao aperfeiçoamento das instituições levarão tempos para serem avaliadas. Por enquanto, rejubilemo-nos com a sobrevivência de um mito que se cristalizou em apenas 732 dias de exercício do poder. O que são 732 dias para pôr a casa em ordem após o trauma do impeachment de Collor? Um nada. Para os grandes homens, a marca da presença no Olimpo prescinde do fator gregoriano. O calendário é apenas um detalhe, quando não se é um mero aproveitador do espaço republicano para se nutrir de glórias fátuas. Não para o Itamar. Ele aproveitou cada [...]

By Política Democrática

V. Questões do Estado e da Cidadania

O Programa Bolsa Família no enfrentamento à pobreza

* Marlene Vaz A ideia de políticas sociais brasileiras na época da ditadura militar moveu-se para a criação de uma “mão de obra qualificada e sadia”, com o objetivo de eliminar os obstáculos do desenvolvimento econômico. Como exemplo, o incremento da moradia popular não tinha como prioridade a moradia para os pobres e sim fomentar o desenvolvimento da construção civil. Este modelo satisfez à economia até a década de 70, mas gerou mais pobreza. Surgiram as discussões na pauta nacional sobre os modelos distribuição de renda e o governo da ditadura aumentou os recursos para a área social. Todavia, não [...]

By Política Democrática

V. Questões do Estado e da Cidadania

Reflexões e considerações sobre a gestão das organizações públicas brasileiras

*Marcus Vinicius Rodrigues O Brasil, rico exemplo de grandes e ambiciosos projetos, é infelizmente também exemplo de modelos de gestão sem eficácia que, além de não atingirem os resultados, trazem desperdício de recursos, desmotivação, descrença da sociedade e pobreza. Porém, o que nos falta? Encontrar a resposta a essa questão tem sido muito difícil para o cidadão que se torna governante no Brasil, mas é quase trivial para quem paga seus pesados impostos, sem retorno em benefícios, segurança, saúde, educação ou qualidade de vida. Um governante, ou ex-governante, poderia dizer que “quase” tudo já foi tentado, com o que concordo, [...]

By Política Democrática

V. Questões do Estado e da Cidadania

Pedestres do mundo, uni-vos!

* Rodrigo Cosenza / Valdir Ribeiro “E a cidade se apresenta centro das ambições Para mendigos ou ricos e outras armações Coletivos, automóveis, motos e metrôs Trabalhadores, patrões, policiais, camelôs” Chico Science As cidades são vivas e dinâmicas, nelas as pessoas vivem seus direitos e deveres. Acessam e produzem os diversos bens culturais, constroem uma realidade concreta com ruas, pontes, edifícios. Na medida em que o fazem, desenham sua própria realidade. Elas atuam politicamente e de citadinas tornam-se cidadãs. Esta atuação e autocriação das pessoas na cidade devem ser vistas sob a ótica das lógicas de organização dos municípios. Duas [...]

By Lairson Giesel

VI. Economia & Desenvolvimento

Alforriafiscal

Com a indexação do aumento das despesas federais à inflação do ano anterior aprovada, depois da significativa vitória do governo, nas votações em primeiro e segundo turnos na Câmara, o debate sobre a chamada PEC do Teto ganhou intensidade, assim como a reação dos potenciais prejudicados – a nata do funcionalismo. Tal reforma não é a solução final e única contra o apartamento do aparelho de Estado da realidade nacional, a razão maior da débâcle das contas fiscais e de suas sequelas sobre o crescimento potencial da economia, vale dizer, também das expectativas de melhora social. Ela é apenas um [...]

By Antonio Machado

VI. Economia & Desenvolvimento

Brasileiro não reconhece coerência na agricultura

*Adriana Brondani Pesquisa conduzida pelo Ibope Conecta revela que o brasileiro não relaciona a produção de alimentos com a aplicação de conhecimento científico. Segundo dados do levantamento, apesar de 79% dos entrevistados declararem ter interesse por ciência, apenas 23% dos respondentes acredita que o conhecimento científico auxilia na produção de alimentos. O dado surpreende, uma vez que a agricultura é um dos setores no qual o Brasil mais se destaca. A pesquisa, ao mostrar que o brasileiro se interessa por ciência, mas não a relaciona com a produção de alimentos, mostra que é necessário aproximar esse tema do cotidiano das [...]

By Política Democrática

VI. Economia & Desenvolvimento

De joelhos para a evasão fiscal

*Aylê-Salassié F. Quintão Alimentos, serviços de saúde, economia informal e até mendigos, todos pagam impostos no Brasil, e muito. Quem paga pouco são os ricos. A informação é do professor Paulo Dantas da Costa, do Conselho Federal de Economia (Cofecon), para quem, por aqui, o Estado parece que sempre esteve de joelhos para os desonerados, sonegadores, para os mais de quinhentos diferentes modelos de fraudes e centenas de artifícios dos quais o sistema não consegue de livrar. Se a proposta de Temer “é consertar o país”, então deve-se entender que, mais cedo do que se espera, ele vai desencavar a [...]

By Política Democrática

VII. Mundo

O mundo de Trump

Estamos todos perplexos, ainda, com a ascensão de um empresário arrogante e aventureiro, que faliu quatro vezes e não esconde o passado de sonegador “legal” do fisco de seu país, ao comando da maior potência mundial, os Estados Unidos da América. Histriônico, xenófobo e machista durante a campanha, ‘Trump atropelou uma quinzena de pretendentes ao posto no seu próprio partido e, depois, derrotou a democrata Hillary Clinton no colégio de “superdelegados”, que define o presidente americano. Ela, com longa estrada na política, venceu a disputa no voto popular. Todas as pesquisas e os principais comentaristas políticos diziam que a ex-primeira [...]

By Luiz Carlos Azedo

VII. Mundo

O fim do dilema corneilleano dos EUA

*Samara Z. L. Sabino Na literatura clássica, um dilema corneilleano é aquele em que alguém é obrigado a escolher entre duas opções que lhe serão igualmente prejudiciais, ainda que as consequências dessas escolhas sejam diversas. Na tragicomédia O Cid, de Pierre Corneille, que deu origem ao termo, o protagonista tem de escolher entre vingar o seu pai e perder a mulher que ele ama ou casar-se com essa mulher e desonrar a imagem de seu pai. Este foi o sentimento de muitos norte-americanos diante do drama binário Hillary Clinton/Donald Trump nas acirradas eleições presidenciais de 2016. Trump, que assumirá em [...]

By Política Democrática

VII. Mundo

Eleição americana e o Colégio Eleitoral

No início das apurações das eleições presidenciais norte-americanas do ano em que disputavam o incumbente Barack Obama, Democrata candidato à reeleição, e Mitt Romney, desafiante pelo Partido Republicano, estava clara a vitória de Obama no Colégio Eleitoral, embora não se soubesse ainda qual candidato seria vencedor nos votos populares. Nesse momento, o empresário republicano Donald Trump, que apoiava Romney, postou um twitter com o seguinte texto: Ele [Obama] perdeu o voto popular por muito e ganhou a eleição. Deveríamos ter uma revolução nesse país. Esse Colégio Eleitoral fraudulento fez da nossa nação motivo de chacota. Não podemos deixar isso acontecer. [...]

By Arlindo Fernandes de Oliveira

VIII. Batalha das Idéias

Socialismo, liberalismo e a síntese

Nos últimos duzentos anos, o pensamento político esteve dividido em duas grandes correntes antagônicas que, com diferentes nuances, comandaram o mundo e induziram diversos experimentos políticos e sociais com alguns sucessos e dramáticos fracassos: o socialismo e liberalismo. De forma simplificada, é possível dizer que estas correntes se diferenciavam em dois aspectos dicotômicos: direitos individuais versus direitos sociais; e mercado versus estado. Enquanto o liberalismo combinava os direitos e liberdades civis com o livre funcionamento do mercado, o socialismo defendia a atuação dominante do estado (no controle ou anulação do mercado) e os interesses coletivos (acima dos direitos individuais). No [...]

By Sérgio C Buarque

VIII. Batalha das Idéias

Da faculdade de fingir

* Flávio R. Kothe Tanto as artes são manipuladas quanto servem para manipular: são manipuladas porque servem para manipular. Isso é tão intrínseco à sua história que não se evidencia, embora já Kant tenha conceituado a arte como exercício da ideia de liberdade, portanto não apenas como vontade do poder. Um modo seguro e eficaz de manipular por meio de obras é promovê-las à arte: isso gera temor reverencial, como se fossem algo sagrado, que impede que se questione aquilo que por ela é sugerido e dito. Significa que por meio dela se mobilizam crenças poderosas, que não querem ser [...]

By Política Democrática

VIII. Batalha das Idéias

Ideias para a transição

*Ernesto Caxeiro Eu já disse que defino o mandato do presidente Michel Temer como de transição. Continuo sendo contra eleições, porque isto não vai solucionar o problema, mas antes pode até agravá-lo. Transição significa preparar o caminho para o próximo presidente, debelando as crises política e econômica; transição é aproveitar as manifestações de 2013, que pediam e pedem reforma política para fazê-la do modo que o povo quer. Neste último caso, não vai ser assim, porque é lógico que os critérios de realização da reforma serão todos comandados por interesses dos partidos e principalmente do fisiologismo renitente e histórico do [...]

By Política Democrática

IX. Ensaio

Fundamentos políticos e sociais da análise marxista do Direito

*Gastão Rúbio de Sá Weyne A análise marxista do Direito pode conduzir à substituição dos tradicionais processos de mera especulação das normas jurídicas pela análise das causas de sua criação e de sua aplicação, mudando-se, assim, o enfoque habitual e pondo- -se em evidência uma reflexão dos efeitos práticos do direito sobre a sociedade. Esta postura advém da compreensão de que a sociedade contemporânea é injusta, desigual e opressiva. Este cenário pode ser transformado com a minimização das desigualdades sociais pela aplicação do direito que se condiciona aos costumes e à conscientização da população. Marx defende que não é o [...]

By Política Democrática

X. Memória e Homenagem

O monumento aos Pracinhas (que o Niemeyer não fez)

*Dulce Rosa Rocque Em meados de 1976, em Bolonha, Itália, foi realizado um seminário sobre as ditaduras na América Latina. Éramos quatro os representantes do Brasil em tal ocasião: Carlos Nelson Coutinho, Leandro Konder, Ivan Ribeiro e eu, então conhecida como Marzia Cioni. Em um intervalo das intervenções do primeiro dia, fomos procurados pelo dr. Arnoaldo Berti, advogado italiano herdeiro da propriedade situada em Monte Castelo, a qual hospedou os pracinhas brasileiros durante a Segunda Guerra Mundial. Na sua casa situada naquela montanha dos Apeninos, foi montada a base para as batalhas e ataques aos alemães que se encontravam no [...]

By Política Democrática

X. Memória e Homenagem

Nise da Silveira, rebeldia que gera ciência

Ao sair de Maceió rumo a Salvador, para cursar Medicina, no início da década de 1920, uma jovem alagoana levou consigo uma frase do pai, professor de Matemática: “Nunca aceite privilégios por ser mulher”. O pai a amava, mas a frase demonstrou ser mais irônica do que feliz. Durante a vida, o fato de ser mulher em uma área então dominada por homens, exigiria da jovem um esforço dúplice. Em 1926, Nise da Silveira (1905- 1999) se tornou a primeira médica alagoana. E este foi apenas o prelúdio do que estava por vir. Uma revolução na Psiquiatria. É possível que, [...]

By Tiago Eloy Zaidan

X. Memória e Homenagem

Homenagem ao Geraldão

O Movimento em Defesa da Economia Nacional e a Fundação Astrojildo Pereira promoveram, no dia 7 de novembro, na sede da Associação Brasileira de Imprensa, no Rio de Janeiro, uma bela homenagem a Geraldo Rodrigues dos Santos, nos dez anos de sua morte. No auditório repleto, ao ato estiveram presentes dirigentes do PPS, da FAP, da ABI, do Modecon, assim como os filhos do homenageado, Wanderly e Wanderley. Nascido em São José do Rio Pardo (SP), em 1º de julho de 1923, Geraldão, como era fraternalmente chamado pelos familiares, companheiros e amigos, ainda criança foi viver em Santos e, na [...]

By Milton Coelho da Graça

XI. Resenha

Capitalismo e população mundial

*Alfredo Maciel da Silveira Diante de uma das questões que mais preocupam os estudiosos do futuro da humanidade, qual seja o crescimento da população mundial, cujas tendências, somadas aos padrões de consumo difundidos pelo capitalismo, pressionam os recursos naturais, a produção de alimentos e o equilíbrio ecológico, Sergio A. Moraes no presente ensaio abre a perspectiva do tratamento analítico daquela problemática mediante a tese de K. Marx da subordinação no longo prazo do crescimento populacional às leis de reprodução do capital. Inicialmente o autor apresenta a evolução histórica da população até os dias atuais em consonância à gênese e evolução [...]

By Política Democrática

XI. Resenha

Uma trajetória consistente e coerente

*Osvaldo Euclides A vida de um jornalista que toma partido de forma aberta e transparente e faz uma brilhante carreira em pequenos e quase clandestinos jornais mantidos precariamente pelo Partido Comunista desperta interesse, sobretudo se essa trajetória se fez de forma consistente e coerente, tendo como cenário o Brasil atrasado e instável da primeira metade do século XX. Rui Facó, entretanto, foi bem mais do que um marcante e singular profissional do jornalismo… é o que livro mostra. Trata-se de uma longa e detalhada reportagem histórica que, curiosamente, começa com a morte, num acidente aéreo suspeito, do biografado. Logo, o [...]

By Política Democrática

XI. Resenha

Charles Taylor e o psicossocial na cidadania

*Pedro Augusto Pinho As sociedades neste século XXI têm características que as tornam distintas para aplicação dos padrões que usávamos na análise das sociedades do século XX e anteriores. Não se trata apenas das mudanças econômicas, pois o capital financeiro também imperou no século XIX, nem das forças detentoras do poder, pois elas continuam, majoritariamente, representando o capital. Há quem a denomine hoje como “sociedade da informação”, ou “quântica” ou “globalizada”.  Afirma Charles Taylor no prefácio de artigos, Argumentos filosóficos, reunidos no Brasil pela Edições Loyola (SP, 2000), ao tratar da natureza da linguagem, “o debate passou a contar com [...]

By Política Democrática